XXIII CONEEQ 2014


[Turismo] Areia Vermelha
05/02/2011, 11:40
Filed under: Cabedelo, Grande João Pessoa, Litoral

A Areia Vermelha é um exuberante banco de areia que emerge a aproximadamente um quilômetro da costa durante a maré baixa; a cor avermelhada advém da areia e das algas existentes no local. O banco tem aproximadamente dois quilômetros de comprimento; a combinação da areia, da linha de recifes e de corais permite a formação de diversas piscinas naturais, de águas paradas, durante a maré baixa.

O embarque é feito a partir das praias do Poço ou Camboinha, já no município de Cabedelo, em barcos que fazem a travessia de 15 minutos.
Além dos barcos de passeio, a Areia Vermelha é frequentada também por Jet-skis, windsurfistas, jangadas e veleiros, que dão um colorido especial ao local.

Alguns barcos levam material para a montagem de bares nos bancos de areia, onde pode-se saborear peixe fresco e o tradicional caranguejo ao coco.
Algumas piscinas formadas em Areia Vermelha são um pouco mais profundas do que as de Picãozinho.



[Turismo] Fortaleza de Santa Catarina
12/01/2011, 20:59
Filed under: Cabedelo, Grande João Pessoa, Turismo

A centenária Fortaleza de Santa Catarina guia os turistas pelas estórias da época em que a nossa costa era constantemente ameaçada por invasões. Hoje, em dia, é ponto turístico, o monumento é visitado por milhares de pessoas que, interessadas em conhecer mais sobre a história da nossa colonização, acabam descobrindo uma nova forma de ver o passado.

História

A Fortaleza de Santa Catarina possivelmente foi construída em 1585, por ordem do donatário da Capitania da Paraíba, Frutuoso Barbosa e tinha como objetivo servir de apoio para os navios da coroa portuguesa que aportavam na capitania para extraírem e exportarem o pau-brasil e impedir os ataques indígenas às povoações (fato que era constante durante a colonização) e estabelecimento de nações estrangeiras que, fascinadas pelas riquezas da terra brasileira sempre procuraram invadi-la e explorá-la.

A obra de construção original era em taipa e foi dirigida pelo alemão Cristóvão Lintz (Lins), que contou, no primeiro momento, com o apoio de 110 soldados espanhóis sediados na Cavalaria de Olinda. 100 escravos negros e índios que recebiam como salário alimentos, utensílios domésticos (jarros, colheres, pratos, espelhos, bebidas, etc.), e em alguns casos armas.

A Fortaleza passou a chamar-se Forte de Cabedelo, mais tarde, em homenagem a Duquesa Portuguesa Dona Catarina de Bragança, em seguida passou a chamar-se Fortaleza de Santa Catarina, fato que coincidiu com a existência de uma pequena capela erguida no interior do Forte dedicada a Santa Catarina de Alexandria.